Como devolver o Auxílio Emergencial

Veja com exclusividade como faz para devolver o Auxílio Emergencial, confira quem tem direito a esse benefício, entenda melhor sobre os benefícios do governo, tudo isso e muito mais você encontra aqui neste post.

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro que o Governo Federal está dando para fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do novo Coronavírus, mas para receber o auxílio é preciso estar dentro dos requisitos.

Caso tenha recebido o auxílio emergencial, porém você não atende os requisitos para ter direito a esse benefício, então é preciso devolver os valores que foram recebidos indevidamente. E, o Ministério da Cidadania disponibilizou uma página na internet para fazer as pessoas fazerem a devolução desse dinheiro.

Para realizar a devolução do dinheiro é muito fácil e o procedimento é feito pela internet, utilizando somente o número do CPF e endereço, depois vai ser gerado uma Guia de Recolhimento da União no valor do auxílio e essa guia deverá ser paga no Banco do Brasil ou em qualquer outro banco. Confira agora o passo a passo de como devolver o auxílio emergencial:

Como devolver o Auxílio Emergencial

Devolver o Auxílio Emergencial

  • Acesse o site: https://devolucaoauxilioemergencial.cidadania.gov.br/devolucao para devolver o auxílio emergencial recebido indevidamente;
  • Entre com o seu CPF, faça a verificação do reCAPTCHA e clique em Emitir GRU;
  • Selecione se deseja pagar no Banco do Brasil ou em qualquer banco, se optar pelo pagamento em qualquer banco, é preciso informar o seu endereço completo;
  • Marque a opção Não sou um robô e clique em Emitir GRU;
  • Agora o site vai emitir um boleto, e é só fazer o pagamento para regularizar a sua situação e não ter problemas maiores com o Governo Federal.

Quem tem direito ao Auxílio Emergencial

Para ter acesso ao auxílio emergencial o cidadão estar dentro de alguns requisitos, confira quais são eles:

  • Ser maior de idade, ou então ser mãe adolescente;
  • Não pode ter emprego formal, esse benefício é destinado para trabalhadores com rendas informais, profissionais autônomos, microempreendedores individuais MEIs e desempregados;
  • Precisa ter renda familiar mensal per capita que é por pessoa de até meio salário mínimo no caso R$522,50, ou então ter renda familiar mensal total, ou seja, tudo que a família recebe de até três salários mínimos que é R$3.135,00.
  • Não pode ser beneficiário, ou seja, não pode estar recebendo benefício assistencial ou previdenciário, seguro-desemprego ou estar participando de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
  • Não pode ter recebido rendimento tributáveis no ano de 2018 acima de R$28.559,70;
  • Para receber o auxílio emergencial é preciso estar desempregado ou exercer a atividade na condição de MEI (Microempreendedor Individual), ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social RGPS, ou ser trabalhador informal inscrito no Castro Único para Programas Sociais do Governo Federal o CadÚnico.

Número do auxílio emergencial

O pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial começou no dia 9 de abril e alcançou mais de cinquenta milhões de brasileiros inscritos no CadÚnico, no aplicativo Caixa – Auxílio Emergencial ou pelo site da Caixa e beneficiários do Bolsa Família.

Mas, como muitas pessoas possuem dúvidas em relação ao auxílio emergencial, a Caixa Econômica Federal criou também um canal de atendimento exclusivo para os cidadãos tirarem dúvidas relacionadas ao auxílio emergencial. Para isso é só ligar no número: 111. Lembrando que a ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer lugar do Brasil. Porém, não tem como fazer o cadastro do auxílio emergencial por esse telefone.

Sobre os benefícios do Governo

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro estabelecido pelo Governo Federal, destinado aos trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais e desempregados, e tem o intuito de fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do novo COVID – 19.

O benefício será no valor de R$600,00 e vai ser pago por três meses, para até duas pessoas da mesma família. E, para as famílias em que a mulher seja a única responsável pelas despesas da casa, o valor pago todo mês vai ser de R$1.200,00.

Quem estava no Cadastro Único até o dia 20 de março, e que atenda as regras do programa, vai receber sem precisar se cadastrar no site da Caixa. Quem recebe o Bolsa Família pode receber o auxílio emergencial, desde que seja mais vantajoso. E, durante este período o Bolsa Família vai ficar suspenso.

Durante a pandemia do Coronavírus o governo liberou alguns benefícios, que são destinados principalmente à população de baixa renda, que são considerado o grupo mais afetado durante a crise.

Visando amenizar o impacto causado devido a pandemia do novo Coronavírus, o Governo Federal, junto com os representante do Ministério da Economia, anunciaram algumas medidas econômicas no combate à crise. Esses benefícios foram criados especialmente para ajudar à população de baixa renda, que são os mais afetados nesse momento.

Entre os benefícios fornecidos pelo governo estão: A antecipação do 13º aos segurados do INSS, abono salarial do PIS ou PASEP, saque emergencial do FGTS, auxílio emergencial, isenção de até 100% na tarifa de luz, auxílio doença do INSS e adiantamento de R$600,00 para quem está na fila do BPC que é o Benefício de Prestação Continuada.

E, para saber se você se enquadra nesses outros benefícios é só acessar o site oficial da Caixa Econômica Federal que no site vai conter todas as informações que você precisa saber sobre esses benefícios que estão sendo disponibilizados durante o enfrentamento da pandemia causada pelo novo Coronavírus – COVID – 19.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui